03/12/2007

Esperança






Esperança


Vem o vento e bate em meu rosto,

Vem o vento e logo passa,

Já nem sei onde moro

Não tenho casa

Não tenho mar.

Esperança, esperança, diga onde está!


Passa o vento que veio

Passa o vento...

O vento é fumaça

E a fumaça passa

Esperança, esperança, onde mora a esperança!


Tudo vem e tudo passa,

Até o pensamento quando não faz pirraça

Tudo passa com o vento

Vem e passa, como fumaça...

Esperança, esperança, preciso de você!


Estou certa e vou de vencer,

Tudo correrá bem, a esperança anda comigo

Ela é meu tesouro

Carvalho imenso erguido,

No chão da minha vida!


Marta Peres

1 comentários:

sarah disse...

Marta quem me dera ter o dom da poesia, e vc o tem em pujança , é verdade que escrevo, mas sou co-autora de alguém do outro lado da vida que escreve por mim, mas pelo que vi do seu blog vc é a autora , a cabeça talentosa, que nos alegras com sua sensibilidade , beijus da sua amiga virtual.